Como escolher o melhor tecido para um vestido

Os vestidos representam a feminilidade, estilo das mulheres e são peças importantes no guarda-roupa feminino. São práticos e não exigem elaborar tantas combinações na hora de se vestir. E uma peça de roupa para ser ideal precisa ter um caimento impecável. E o tipo de tecido que compõe a peça pode fazer toda a diferença. Com texturas, apliques, bordados, lisos ou estampados, alguns tipos de tecidos nobres proporcionam sensação de conforto, leveza e sensualidade, por isso são bastante utilizados na confecção de vestidos sofisticados para formaturas e casamentos, por exemplo. Escolha o seu:

Seda

Nome dado ao tecido natural confeccionado com o mesmo fio existente no casulo da lagarta que habita a amoreira, conhecida como bicho-da-seda. A seda é um tecido leve, macio e super precioso, descoberto pelos chineses por volta do século IX a.C. Envoltos pelo fascínio desse fio extremamente fino, os orientais contam a seguinte lenda ” certa manhã, um casulo caiu na xícara de chá de uma princesa. Com o calor da bebida, ele começou a derreter: a princesa tentou retirá-lo e um fio se soltou. Ela começou a puxar e o casulo foi se desenrolando. Encantada com a beleza e a espessura mínima do fio, ela mandou tecer um manto para seu amado”. Nasceu assim o primeiro tecido de seda pura.

Por volta do século V a.C, a produção de seda já era suficiente para atender todo o reino chinês, e o imperador passou a presentear chefes das regiões vizinhas com peças de seda. De lá para cá, esse precioso fio se transformou em matéria-prima dos tecidos mais nobres, e mesmo hoje, com a descoberta das microfibras sintéticas- capazes de criar tecidos com o mesmo caimento, toque e aparência da seda- o fio da lagarta continua sendo a matéria-prima de tecidos muitíssimo especiais, que dão origem a várias peças do vestuário. Além da maciez e do aspecto brilhoso, a seda ainda se destaca pelo ótimo caimento no corpo, que garante o glamour que as mulheres tanto procuram na hora de se preparar para grandes eventos.

Cetim

Um dos queridinhos da mulherada. O cetim é delicado, fino e possui aspecto suave, além de estar disponível em várias intensidades de brilho. Só tenha cuidado na hora de sentar, o tecido amassa com facilidade. Aplicações: Tecido suavemente brilhante, originário da China, a princípio produzido em seda com tramas bem apertadas. Hoje, graças à evolução tecnológica, o raiom e outras fibras sintéticas estão na composição de versões menos nobres.

De aspecto delicado e sofisticado, o cetim entra com tudo no guarda-roupa, dando forma a peças que vão da moda íntima à habillé. Tipo de tecido em que o fio de urdume aparecem mais que os da trama. O resultado é alto brilho provocando pelo reflexo da luz. Tecido de aspecto brilhante, liso, de toque fluido e macio. Isto é conseguido a partir de flutuações dos fios de urdume. Diz também que se trata de uma sarja com os pontos de ligação escondidos para eliminar a diagonal.

Organza

Considerado um tecido simples, quando misturado a outros materiais nobres alcança um resultado elegante, sendo bastante utilizado para fazer babados inclusive nas saias dos vestidos de 15 anos. Tecido fino de trama simples, em geral de fio de seda, raiom ou náilon; semelhante ao organdi, porém mais armado e encorpado, é leve, flutuante, transparente e ligeiramente acetinado. A organza sempre abrilhantou vestidos de festa, mas no inverno de 1994 ela ganhou espaço no dia a dia, quando a moda pediu irreverentes misturas: tecidos leves com pesados, transparentes com opacos.

A organza reina, dia e noite, em peças sobrepostas, apresentando, nas propostas mais sofisticadas, um aspecto laqueado que a caracteriza como gazar. Tecido de tela, normalmente alvejado, de fibras brilhantes e lisas. Leve, mas endurecido pelo alto nível de torção do fio e do acabamento empapelado.

Brocado

Este tecido já vem bordado e, por isso, é considerado muito nobre. Mais espesso, tem caimento estruturado, sendo uma boa opção para quem precisa disfarçar alguma parte do corpo, como gordurinhas localizadas. Desde meados do século XIX, o brocado é associado a roupas de noite. Tecidos com relevos que são feitos com fios de seda, só que metalizados. Hoje esses fios são substituídos por lurex.

Crepe

É leve, maleável e pode ter várias texturas. Pode ser de seda, tafetá ou de cetim e é muito recomendado para a confecção de vestidos de noiva pelo caimento suave e elegante. Possui textura enrugada, obtido por ligamento crepe e utilizando no urdume fios com pouca torção e na trama fios sobre torcidos dispostos alternadamente em 2s e 2z. Usualmente é tinto em peça ou estampado.

Veludo

Tecido mais denso, possui aspecto molhado, sendo muito utilizado nas estações mais frias do ano. Pode compor toda a peça ou apenas realçar alguns detalhes, dando um toque de charme ao vestido. É um tecido fechado, felpudo, de textura macia e gostosa. Pode ser de lã, algodão, seda ou fibras sintéticas (como o raiom ou acetato). O veludo também pode ser liso (brilhante e molinho, como o veludo alemão), cordoado (o cotelê) e até bordado. Começou a ser usado nas vestes monásticas da Idade Média, depois foi empregado nos mantos de reis, rainhas e da alta nobreza, até dar forma aos vestidos glamorosos da vida noturna, nas décadas de 1950 e 1960. É um tecido de trama apertada com pelo curto e denso, que produz uma textura macia e rica.

Fonte: Capitollium Blog.

Compartilhe